Sexta, 19 Julho 2019

A A Cidade

Nossa Cidade

Um município brasileiro do estado do Maranhão localizado no Leste Maranhense. Sua população em 2010 era de 33.314 habitantes.


Brejo, anteriormente denominado Brejo dos Anapurus, antigo distrito de Caxias, foi elevado à vila em 1820 e à condição de cidade em 11 de julho de 1870.

Em 1684, os índios anapurus, que se dividiam em meri e assu, já viviam no território do atual Município, onde, em 1709, mataram o povoador português Manuel da Silva. Desde então, expediram-se várias ordens oficiais para que se fizesse guerra aos índios, considerados bárbaros tapuias pelas autoridades, até que, em 1770, lhes foram cedidas três léguas de terras pelo Governador da Província.

O vocábulo anapurus é uma corruptela de muypurás - índios que viviam às margens do rio Parnaíba - e significa fruta do rio. Em 1729, Brejo era ainda um sítio que, a 11 de julho desse ano, foi doado a Francisco Vasconcelos seu primeiro povoador efetivo. Entretanto, a principal povoadora foi a portuguesa Euzébia Maria da Conceição Alves de Sousa (1745-1839), possuidora de grande fortuna e de muitos escravos que, acompanhada de seus colonos, chegou à localidade, em data desconhecida. Mais tarde, foi vitimada por ocasião da guerra da Balaiada, que causou graves prejuízos econômicos e sociais a Brejo. Segundo o historiador Astolfo Serra, Brejo foi o último reduto dos balaios, finalmente vencido em dezembro de 1840.

Em 1820, foi elevado à categoria de vila, com a denominação de São Bernardo do Brejo, pela alvará de 29 de janeiro de 1820, desmembrado de Caxias. No mesmo ano, passou a Distrito, criado com a denominação de Brejo, pelo decreto de 18 de abril de 1820, subordinado ao município de Caxias.

Foi elevado à condição de cidade, com a denominação de Brejo, pela lei provincial nº 899, de 11 de julho de 1870. Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de oito distritos: Brejo, Porto da Repartição, Milagres Santa Quitéria, Angical, Ponte Nova, São Francisco e Lagoa. Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município aparece constituído de 4 distritos: Brejo, São Bernardo, Santa Quitéria e Curador. Não figurando os distritos de Porto da Repartição, Milagres, Angical, Ponte Nova, São Francisco e Lagoa.

Em divisões territoriais datadas de 31 de dezembro de 1936 e 31 de dezembro de 1937, o município é constituído de dois distritos: Brejo e Magalhães de Almeida. Não figurando os distritos da divisão de 1933. No quadro fixado, para vigorar no período de 1939-1943, o município é constituído do distrito sede. Não figurando o distrito de Magalhães de Almeida. Pela lei estadual nº 269, de 31 de dezembro de 1948, é criado o distrito de Estrela dos Anapurus e anexado ao município de Brejo.

Em divisão territorial datada de 1 de julho de 1950, o município é constituído de dois distritos: Brejo e Estrela dos Anapurus. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1 de junho de 1960. Pela lei estadual nº 2378, de 9 de junho de 1964, desmembra do município de Brejo o distrito de Estrela Anapurus. Elevado à categoria de município com a denominação de Anapurus, em divisão territorial datada de 1 de janeiro de 1979, o município é constituído do distrito sede, assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005. 

Aniversário: 11 de julho

Fundação: 11 de julho de 1870 (148 anos)

Gentílico: brejense

Padroeira: Nossa senhora da Conceição

Prefeito: José Farias de Castro (PMDB)
(2017 – 2020)

 

Hino do município de Brejo

Letra por Tobias Pinheiro
Melodia por Alírio Lopes


I
Salve a terra que orgulho nos traz

alve os índios na guerra e na paz
Salve a aldeia dos Anapurus
Paraíso dos Muypurás

Estribilho
Ô Brejo, no amor tu nos prendes
Terra de Cândido Mendes (bis)

III
Foi aqui neste solo sagrado
Que houve lutas pela Independência
E este povo de sangue banhado
Pediu morte, mas não quis clemência

IV
A resposta aos balaios ousados
Foi aquela resposta viril
Seguiremos os nossos soldados
Morreremos por nosso Brasil

V
Desta Pátria ganhamos o Escudo
E o esplendor do auri-verde pendão
Nosso lema é apenas o escudo
E o trabalho pelo Maranhão (bis)

Estribilho
Ô Brejo, no amor tu nos prendes
Terra de Cândido Mendes (bis)

E na crença Cristã nos conduz
Salve a aldeia dos Muypurás
Paraíso dos Anapurus

II
Se é nos índios que o amor se traduz